Gut Biome

A microbioma intestinal e o tratamento do câncer

Q

uando se trata de inovação e a busca pela descoberta de novos tratamentos para pacientes com câncer, às vezes, a resposta está dentro de você.

Uma nova colaboração anunciada recentemente entre a Bristol-Myers Squibb e a empresa de Paris Enertome Biosciences está levando isso ao pé da letra.

Nos termos do contrato, a colaboração irá combinar a expertise da Bristol-Myers Squibb no desenvolvimento de novas imunoterapias com a plataforma tecnológica metagenômica da Enterome e sua liderança na rápida e evolutiva ciência da microbioma intestinal para apoiar a descoberta de novos agentes imunoterapêuticos e biomarcadores.

"Continuamos buscando todo o potencial da Imuno-Oncologia ao aplicar uma ciência, tecnologia e pesquisa em rápida evolução a nossa sólida base em controlar o sistema imunológico para ajudar a combater o câncer", disse Carl Decicco, Ph.D., Diretor de Descobertas. "A expertise da Enterome pode ajudar a avançar nossa meta de melhorar os resultados de pacientes com câncer."

A Bristol-Myers Squibb identificou um volume crescente de evidências científicas envolvendo a microbioma intestinal como uma prioridade importante para a equipe de descobertas oncológicas da empresa. Isso se alinha a outras pesquisas atuais sobre a resposta e a resistência de imunoterapias para câncer. A colaboração também também está bem alinhada com a estratégia de desenvolvimento comercial da empresa.

"A desenvolvimento comercial tem sido uma fonte estratégica de inovação para nossa empresa, e estamos empolgados em trabalhar com Pesquisa e Desenvolvimento para nos associarmos a uma área importante da ciência, dada a abordagem diferente da Enterome na pesquisa da microbioma intestinal", disse Paul Biondi, Diretor de Desenvolvimento Comercial, Bristol-Myers Squibb.

O que é a microbioma intestinal?

Todos os micro-organismos que vivem dentro e sobre nosso corpo compõem a microbioma, incluindo bactérias, fungos e vírus. Em humanos, o intestino é o lar da maior comunidade bacteriana—100 trilhões de micro-organismos que compõem a microbioma.

Os cientistas estão explorando essa área porque pesquisas recentes têm demonstrado uma incrível relação simbiótica entre as bactérias do intestino e seu hospedeiro humano, desempenhando um papel importante na regulação do metabolismo, influenciando a química no cérebro, agindo como uma barreira para patógenos e regulando o sistema imunológico.

Como a microbioma está relacionada à oncologia?

De acordo com pesquisas publicadas, a microbioma intestinal desempenha um papel importante na modulação de mecanismos de resposta e resistência a imunoterapias para câncer. Mudanças no sistema imunológico de uma pessoa gerados pela microbioma intestinal podem ser explorados para identificar alvos específicos e compostos bio-ativos podendo ter o potencial de ampliar as respostas imunológicas contra o câncer.

Para saber mais sobre essa colaboração, leia o comunicado de imprensa na íntegra.

Continuamos buscando todo o potencial da Imuno-Oncologia

Assista neste vídeo como funciona a microbioma intestinal