Combatendo o Câncer Associado a Vírus

O Sistema Imunológico que Naturalmente Combate Vírus Pode Também ser Bem-Sucedido contra Cânceres Relacionados

31/05/17 | SHINTA CHENG, M.D., PH.D.

O

estudo do ciclo de vida dos vírus ensinou aos pesquisadores de décadas atrás que genes tinham o potencial de causar cânceres. Hoje, a tecnologia moderna de sequenciamento revelou que genes em algumas células cancerígenas contêm material genético viral. Na verdade, até 15% dos cânceres ao redor do mundo podem ter alguma associação com uma infecção viral. A mais reconhecida é o papilomavírus humano (HPV), responsável por aproximadamente 99% dos cânceres cervicais em todo o mundo. Outro é o Vírus Epstein-Barr (EBV), que tem uma associação, especialmente em populações asiáticas ou mediterrâneas, com um tipo de câncer na cabeça e pescoço que é conhecido como câncer de nasofaringe.

imagem

O sistema imunológico está na linha de frente na defesa contra os vírus. No entanto, vários vírus como o EBV podem infectar e se replicar dentro de diversas células, e alguns até "ficam dormentes" para persistirem latentemente dentro de algumas células combatentes de infecções. Quandos os vírus se replicam, eles às vezes integram seu material genético, feito de DNA ou RNA, no material das células hospedeiras. O material genético viral então tem controle sobre o ciclo de crescimento da célula. Para os vírus com associação de câncer conhecida, essa reprogramação de uma célula hospedeira afeta sua proliferação e habilidade de ser reconhecida pelo sistema de defesa imunológico do corpo. Essas células modificadas podem acumular mutações genéticas à medida que se proliferam, e podem, por fim, se tornar um câncer. 

A ativação do sistema imunológico com terapias tem um histórico comprovado em relação a vários tumores cancerígenos sólidos. O aprimoramento da resposta imunológica também pode ser usado para tratar pacientes com infecções virais crônicas. Por isso, nós na Bristol-Myers Squibb acreditamos que cânceres associados a vírus também podem ser atacados por meio do sistema imunológico. Estamos explorando se o aprimoramento do reconhecimento de vírus e cânceres no sistema imunológico pode resultar em um benefício duplo contra cânceres associados a vírus.

Na Bristol-Myers Squibb, nossos estudos clínicos incluem pacientes com cânceres associados a HPV, EBV e também um raro tipo de câncer de pele chamado carcinoma de Célula de Merkel, que é associado ao polimavírus. Ao aprender mais sobre a ciência de cânceres associados a vírus e testar novos medicamentos cuidadosamente em estudos de pacientes com tais doenças, esperamos conseguir avanços no tratamento do câncer para abordar as necessidades médicas que ainda precisam ser atendidas para nossos pacientes.